Os vários nomes da maconha: origens e curiosidades

560
SHARES
Tempo de leitura 4 minutos
Diferentes nomes da maconha escritos no meio de várias folhas de maconha verde e ao centro uma folha roxa
Vários nomes e letras à volta de uma folha e de botões de canábis

 

A maconha, uma planta com tanta tradição histórica quanto variedade de nomes, é conhecida mundialmente não só pelos seus efeitos psicoativos, mas também pela riqueza cultural que seus apelidos refletem. Neste artigo, navegaremos pelos continentes explorando as denominações mais peculiares desta erva, suas origens linguísticas e algumas anedotas que marcaram a cultura popular, mas atenção! Não me refiro aos nomes das sementes de maconha, estou falando de como chamam o cannabis em diferentes lugares.

 

 

⛳ Europa: Entre o Coloquial e o Culto

 

Espanha nos oferece “porro” e “maría“, onde “porro” poderia vir da semelhança com o instrumento musical devido à sua forma enrolada, enquanto “maría” é um simples derivado ou diminutivo de maconha. França se refere a ela como “beuh“, uma simplificação fonética de “herbe“. Curiosamente, “chichon“, que também é usado na França, compartilha som com a palavra “chichón” em espanhol, embora não tenham relação. Na Itália, “erba” simplesmente significa “erva”, mostrando como a língua tende à simplicidade. “Maria“, também presente aqui, destaca como alguns termos transcendem fronteiras. Os Países Baixos se destacam com “wiet“, derivado de “weed” (erva daninha em inglês), provavelmente pela influência do inglês e da internacionalidade de Amsterdã.

 

 

⭐ América Latina: Cores Locais na Denominação

Desde o “faso” argentino, que poderia derivar de “fascículo” pela forma dos cigarros de maconha, embora isso não esteja totalmente claro, até o “porro” uruguaio, cada termo conta uma história. No México, “mota” parece ter origens incertas, mas seu uso se estendeu tanto que já faz parte da gíria nacional. “Churro“, por outro lado, compartilha o nome com um doce popular, pela sua forma alongada e recheada. Colômbia e seu “bareta” podem ter uma conexão com a palavra “barra”, talvez pela forma como a resina da planta é prensada, enquanto “moño” invoca a imagem de algo adornado e precioso.

 

 

 
Download completely free the marijuana dictionary
Free Download Cannabis Dictionary 2023 Edition
Insert a correct email address
You must accept the privacy policy
SITE OF SHOPS ONLINE S.R.L with CIF: B98262777 and address for notifications in C/ VEREDA MAS DE TOUS Nº 22 LOCAL C, 46185 LA POBLA DE VALLBONA, VALENCIA, Phone: 961658271 Email: customer(at)pevgrow.com
At the name of Consulting we process the information you give us in order to provide the requested service, perform the billing of the same. The data provided will be kept as long as the business relationship is maintained or for the years necessary to comply with legal obligations. The data will not be transferred to third parties except in cases where there is a legal obligation. You have the right to obtain confirmation as to whether SITE OF SHOPS ONLINE S.R.L. is processing your personal data and therefore you have the right to access your personal data, rectify inaccurate data or request its removal when the data is no longer necessary
 

✨ América do Norte: Influência da Cultura Pop

Pot” e “weed” são termos comuns nos Estados Unidos, ambos com origens relacionadas com a planta: “pot” poderia vir do espanhol “potiguaya” ou “potación de guaya”, uma bebida de vinho com sementes de maconha, e “weed” simplesmente porque cresce como uma erva daninha. O Canadá, bilíngue, utiliza “pot“, como seus vizinhos do sul, e “herbe” do seu lado francófono, mostrando a mistura cultural do país. Em alguns casos no Canadá também chamam de grass, possivelmente pela sua influência americana.

 

 

👌 Ásia e Oriente Médio: Tradições e Linguagem

Ganja“, de origem sânscrita, é usada em países como Índia e Nepal. A palavra tem raízes antigas e refere-se a um grupo de três plantas sagradas em textos ayurvédicos. Na China, chama-se “dàmá“, que significa literalmente “grande cânhamo”, refletindo o reconhecimento da planta por suas propriedades tanto têxteis quanto psicoativas.

 

 

📲 África: Diversidade e Cultura

África do Sul oferece “dagga“, um termo que vem do idioma khoikhoi, enfatizando o profundo enraizamento da planta na cultura indígena. Marrocos, famoso por seu haxixe, utiliza “kif“, que em árabe significa prazer ou bom humor, refletindo a relação da planta com estados de euforia.

 

 

🚀 Oceania: Influência e Dialeto

Na Austrália, “bud” é comum, compartilhando o termo com o inglês americano, enquanto “choof” é um jargão mais localizado. “Bud” aponta para a parte da planta que é consumida, enquanto “choof” parece ser um termo onomatopaico, que imita o som de fumar.

 

 

✅ Outros nomes da nossa querida erva

  • Espanha: Hierba, yerba, cáñamo.
  • México: Pasto, yerba, grifa, marijuana.
  • Argentina: Porro, maconha, chala.
  • Chile: Pito, caño, yerba, paragua (em referência à maconha de baixa qualidade vinda do Paraguai).
  • Colômbia: Cripy (para se referir a uma variedade de alta qualidade).
  • Uruguai: Faso, maría.
  • Peru: Chira, pitillo, cuete.
  • Venezuela: Monte, moña.
  • Cuba: Yerba, tabaquito da risa.
  • Estados Unidos (inglês): Grass, ganja, dope, reefer, Mary Jane, bud, chronic.
  • Reino Unido (inglês): Spliff, weed, skunk, ganja.
  • Jamaica: Ganja.
  • Brasil (português): Maconha, erva, baseado.
  • Portugal (português): Charro, ganza.
  • França (francês): Cannabis, beuh, ganja, chichon.
  • Itália (italiano): Ganja, weed.
  • Países Baixos: Joint, blowen.
  • Alemanha (alemão): Gras, weed, hanf.
  • Rússia (russo): Анша (ansha), травка (travka), ганджубас (gandzubas).

 

 

🔥 Curiosidades e Anedotas

Os nomes da maconha deram lugar a anedotas interessantes e por vezes humorísticas. Por exemplo, a “María Juana” completa se transforma em “marijuana” e posteriormente em “maconha” em muitos lugares, mostrando como a tendência à contração de palavras afeta a linguagem. Por outro lado, em muitos países anglo-saxões, à maconha de má qualidade chama-se Reggie Weed, um termo que está se espalhando para outras línguas recentemente. Além disso, termos como “reefer” podem ter origens peculiares. Alguns sugerem que vem de “grifo”, usado no México para se referir a alguém louco ou desvairado, possivelmente pelo efeito da droga. Na cultura popular, “reefer madness” foi um termo cunhado por um filme homônimo de 1936 que pretendia ser um documentário educativo sobre os perigos do cannabis. Em resumo, os nomes da maconha são tão variados quanto as culturas que a consomem. Cada termo conta uma história, reflete uma sociedade e, muitas vezes, leva um sorriso ou uma piscadela cultural. Com esta viagem linguística e anedótica, esperamos ter adicionado uma nova camada de compreensão e apreciação a esta planta tão discutida quanto venerada.

 

 

🎯 Conclusão

Os nomes da maconha, reflexos da história, da cultura e da idiossincrasia de cada lugar, são um mosaico da fala humana. Ao investigar esses termos, não só aprendemos sobre a planta em si, mas também sobre a natureza humana e nossa forma de nos relacionarmos com o mundo natural. Do “reefer” ao “dagga”, cada palavra tem seu lugar na rica gramática da linguagem e na cultura global do cannabis.

 

 

👾 Perguntas frequentes

Por que a maconha tem tantos nomes diferentes?

A maconha tem diversos nomes devido às variadas culturas e línguas que a adotaram ao longo da história. Cada sociedade desenvolveu seu próprio termo para a planta, influenciado por fatores linguísticos, históricos e sociais.

O nome dado à maconha pode influenciar sua percepção legal e cultural?

Absolutamente. Em alguns contextos, os nomes coloquiais podem ser usados para diminuir a percepção de sua ilegalidade ou para evadir a censura, enquanto outros termos podem ser usados em discursos legais ou médicos para legitimar seu uso.

Existem nomes específicos para a maconha medicinal?

No contexto médico, muitas vezes se usa o termo “cannabis medicinal” para diferenciá-lo do seu uso recreativo. No entanto, alguns dos nomes coloquiais também são usados em ambientes menos formais.

O uso de diferentes nomes para a maconha afeta sua comercialização?

Sim, na indústria legal do cannabis, o marketing pode brincar com a variedade de nomes para atrair diferentes públicos ou para enfatizar certas qualidades do produto, como sua origem ou efeitos.

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]
Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!
Alan Martínez Benito
Alan Martínez Benito
CEO da Pev Grow, cultivador experiente com mais de 20 anos de experiência.
Em constante luta pela regulamentação da cannabis, principalmente no campo medicinal.
Veja mais postagens
Participate in the discussion

Leave a Comment